terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Hipócritas















Hipocrisia
A Apologia
Do demagogismo do ser
Faz o peito arder
de quem ainda num mundo ferrado
Faz versos um tanto descompassados
Para se sentir aliviado
Mas é um fardo
Ser poeta num tempo de banalidades
Onde a obscenidade virou casualidade
E o lado errado
Já foi implantado
E vive acomodado
Num ser que se tornou retardado.
Não se questiona nem se indaga mais
Violência, corrupção, preconceito. Tanto faz.
[Não é comigo, eles que se resolvam
Vivo minha vida, eles que se fodam]
Por essas mentes podres que não pensam direito
Que o mundo perdeu o respeito
E já nem sei se há mais jeito
Seja causa ou efeito
 A gente finge que tá tudo bem
Vai a igreja aos domingos e diz amém
Num gesto vazio que só comprova a teoria
O mundo de hoje
Enfim matou a poesia. 

sábado, 25 de novembro de 2017

TER O SONHO DE SER ESCRITOR, NÃO É COISA FÁCIL!

Primeiro que escrever não é fácil. Tem gente que peleja a vida toda pra conseguir fazer aquelas redações de trinta linhas que caem em uma prova e a língua portuguesa em si é toda cheia de regras e coisas que de certa forma fazem a grande maioria desistir por "não saber a diferença entre verbo transitivo direto e indireto" 
Mas às vezes você se sente bem quando escreve, do seu jeito. Todo errado com as normas, usa vírgula demais, esquece de alguns pronomes e nem sabe a diferença entre "Perca ou Perda".
Mas mesmo assim você continua, porque te faz bem escrever.
Às vezes, faz tão bem que você se pega escrevendo histórias de três folhas naquele seu caderninho guardado no fundo da gaveta. Você as lê uma vez ou outra e pensa: Poxa vida, eu acho que eu quero ser escritor um dia.
Duas horas depois relê o que escreveu e pensa: "Mas que porcaria de texto! Vou jogar isso fora!" Mas alguma coisa te impede de rasgar aquele texto mal (bem) escrito do caderninho e ele fica ali.
Você insiste. Começa a ler mais, porque sim, lendo você amplia sua mente e fica fascinado com seu autor preferido, com o jeito como ele consegue escrever e que, na sua cabeça as palavras dele ganham vida e é como se você pudesse sentir a história que ele escreveu. Seu sonho de ser escritor se reaviva dentro de você.
Os anos passam. Você evolui. Agora ao invés de um caderninho, você tem vários deles e sua escrita começa a melhorar apesar de você ainda achar um lixo.
Mais um pouco de tempo se passa e você então tem uma ideia, de súbito. Tá lá, caminhando na esquina pra ir comprar pão pro café da tarde e tem uma ideia. Algo nasce em você. Uma história. Uma história que você sente vontade de escrever sobre ela.
Chega em casa e depois de tomar o café da tarde, pega um caderno novo e começa a escrever sobre essa história. Hum, parece ser boa. Sim, você sente a história e começa a passar ela para o papel.
Aí sim, você acredita que quer ser escritor.
mas ledo engano meu caro, se pensa que as coisas vão começar a funcionar.
Escrever leva tempo antes de tudo. Você pode escrever cinquenta palavras por minuto ou escrever quinhentas. Tanto faz. Escrever leva tempo. Você trabalha, estuda, namora, pratica esportes, dorme. E no meio disso tudo, você ainda tenta escrever sempre que pode.
Em certo momento, vai se abrir com alguém e contar que sonha em ser escritor. A primeira reação da outra pessoa é a de incentivo. Mas vai ler seu texto e no primeiro erro ortográfico, ela vai (se for sincera) dizer que é melhor você ir com calma, que ser escritor é coisa complicada. De fato é.
Você vai se desanimar e vai guardar essa história junto com as outras, que agora já estão numa caixa porque não cabem mais na gaveta.
Sua vida continua e uma hora, você tropeça nessa caixa sem querer e relê a história. No mesmo instante, você se recorda da história toda na sua cabeça que você ainda não terminou de escrever. Volta, corrige os erros que pode (alguns vão passar mesmo assim) e retoma a história. "Parece estar boa"
você pensa consigo mesmo. E então, lá vem o sonho de ser escritor de novo em sua mente. Você procura alguém que entende de livros e mostra sua história. Essa pessoa te diz que ela é boa, que pode ser melhorada, mas é boa. Você retoma a auto estima e passa a se dedicar pra que você enfim, seja um escritor.
Parece que tudo vai dar certo, finalmente.
Errado.
Lembra que eu escrevi ali em cima que "escrever leva tempo?" Seu tempo já está organizado e você não se preparou para ter um tempo para escrever. As pessoas a sua volta não vão te entender. Vão te falar que você está perdendo tempo da sua vida se dedicando a alguma coisa que não tem futuro.
Sua família, seus amigos e até sua namorada, vão dizer que você gasta seu tempo com uma coisa "sem futuro" e é aí que realmente a gente vai saber se você é escritor ou não. Não é quando seu livro sair bonitinho, todo diagramado, revisado profissionalmente (porque você vai escrever muita coisa errada e existem pessoas que vão corrigir isso pra você, mas você ainda não sabe) quando ele tiver uma capa bonita e tiver forma, com um título e seu nome escrito nela. Não, não é aí que você se torna um escritor.
Você se torna um escritor, quando, nesse momento da sua vida, onde todo mundo a sua volta diz que você está "perdendo tempo com algo que não vale a pena" você decide optar pelo SIM. Opta por continuar a escrever.
Vão te chamar de antissocial, de vagabundo, de uma infinidade de coisas que você vai ter que ouvir calado.
Vai escutar sua mãe dizendo que você só fica na frente do computador e "não faz nada" Vai escutar sua família falando que você não passa tempo suficiente com eles, sua namorada vai te dizer que você não está dando atenção suficiente a ela. E tudo isso, porque você decidiu que quer ser escritor.
Você vai acordar no meio da madrugada e alterar dois capítulos inteiros só porque teve um sonho tão bom, que decidiu mudar a história, vai começar a dormir um pouco menos e se dedicar um pouco mais.
Vai escrever trinta páginas por dia, bem diferente de quando você escrevia três por semana e aí, SÓ AÍ. Algumas pessoas vão começar a te dar valor.
Você vai mostrar o que escreveu para algumas pessoas e finalmente vai ouvir um "Nossa, parece bom! Quero saber como termina" E aí meu caro, aí então, você JÁ É UM ESCRITOR.
Mas quem decide como termina, é você, afinal, essa é a sua história, não a minha...

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

A lenda das canetas



Reza a lenda que
Uma caneta, tem nela
O poder de contar histórias
Criar mundos e fazer versos
E que, em mãos que saibam de seu valor
Viram uma espécie de varinha mágica
Capazes até de mudar o mundo
Uma simples caneta
Pode ser um objeto místico
Capaz de tantas coisas
Que ainda que o homem mais sábio,
Possuísse todas as canetas do mundo, 
Ainda sobraria muitas coisas boas
A serem escritas
E transmitidas 
À um mundo tão
Cheio de caos
E vazio de sonhos simples...

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

De volta à Cidade do Medo (Capítulos disponíveis no Wattpad)

O primeiro romance policial do autor deste blog: F.H.Canata agora está com seus primeiros capítulos disponível GRATUITAMENTE  no Wattpad 




Um Romance Policial que promete te intrigar do início ao fim!

Sinopse:
Fred leva uma vida tranquila numa cidade do interior paulista, até que sua vida sofre um grande abalo. Após passar por uma tragédia e ter que lidar com a responsabilidade da culpa, ele decide deixar sua cidade natal e mudar-se para a capital, tentar recomeçar a vida longe das lembranças de seus erros
.
Sete anos se passa e ele é agora Frederico Machado, investigador da DHPP de São Paulo, mesmo atormentado pelas lembranças do passado ele consegue seguir sua vida solucionando homicídios e está prestes a ser delegado. Mas então uma ligação no meio da noite de um antigo amigo do passado muda tudo.
Na manhã seguinte, lê nos jornais que Murilo cometeu suicídio. O mesmo amigo que na noite anterior lhe fez uma ligação misteriosa e cheia de palavras que antes pareciam desconexas, mas que agora lhe dão apenas uma certeza, não fora suicídio. Seu amigo havia sido assassinado.
Fred então terá que voltar a cidade que lhe traz péssimas lembranças, uma cidade que lhe traz recordações que ele não quer relembrar. Mas é obrigado a enfrentar os fantasmas de seu passado para solucionar o assassinato de seu amigo.
Junto com outro velho amigo que agora é delegado, Fred e Edvaldo logo vão descobrir que a morte de Murilo foi apenas o começo. Outros eventos misteriosos vão colocar a sanidade de Fred a prova e ele terá que lidar com seus demônios pessoais, terá que remexer em velhas e doloridas lembranças na tentativa de capturar um misterioso assassino que parece ligado a seu passado e dedicado a vê-lo cada vez mais perdido em seus medos e tormentos.
E logo ele descobrirá que a vida de todos a sua volta correm um grande risco…

De volta a cidade do Medo é um romance policial que levará o leitor a uma enigmática caçada a um assassino misterioso e calculista, ao mesmo tempo em que despertará a curiosidade de seus leitores sobre o intrigante passado de seu protagonista cheio de lacunas e mistérios, é um livro que nos fará pensar até que ponto somos capazes de enfrentar nossos medos sem perder a sanidade.